Nossa História

 

1929, em Vitória de Santo Antão nasce o Colégio Nossa Senhora da Graça – da Congregação belga – Damas da Instrução Cristã. Uma História de Fé, Amor e Perseverança. Neste ano, o cônego e Vigário Américo Pita da Freguesia de Santo Antão, viu a concretização de um ideal – a fundação de um colégio para o sexo feminino sob a orientação e direção de uma congregação de religiosas.

A fundação e instalação ocorre em fevereiro, em dois prédios contíguos, que faziam esquinas com a Praça 3 de agosto e a rua Marquês do Herval.

Após alguns melhoramentos, foi inaugurado em 8 de março pelo Padre Félix Barreto e pelo professor José Aragão, seus idealizadores.

Em 1934, as Religiosas tiveram que comprar um terreno para construir o prédio em que o colégio pudesse atender às inúmeras procuras. A 14 de abril de 1936, segunda-feira de Páscoa, foi inaugurado o novo prédio do colégio à Rua Melo Verçosa. Havia apenas uma ala terminada, mas era possível funcionar. O restante foi sendo construído aos poucos sob a orientação do engenheiro o Sr. Laurenz Leopold Nebl.

Na transferência foi transladado o Santíssimo Sacramento, acompanhado das Associações Religiosas e do povo. Foi celebrada a missa às 17 horas, com pregação do vigário. Um Almoço foi oferecido pelas Religiosas no salão nobre, falando Madre Lucila, Padre Argemiro, professor Félix Paiva, agradecendo em nome da Madre.

À tarde, foi entronizado o coração de Jesus e a bênção do Santíssimo Sacramento.

É nesse espírito e com esse endereço, enfim, que ano após ano, o Nossa Senhora da Graça vai cumprindo a sua missão de evangelizar e educar crianças, adolescentes e jovens. Conta com educadores impulsionados a REVELAR A FACE ATUAL DO CRISTO EDUCADOR, na alegria e ousadia, na competência e seriedade de uma educação direcionada ao bem, ao belo, à bondade, à vida, ao amor.

Aqueles que convivem ou conviveram com as estimadas Religiosas do Nossa Senhora da Graça, guardam na memória o respeito e admiração por sua dedicação. Nomes como Irmã Joana, Anunciação, Perpétua, Teresa Maria, Aloísia, Estefânia, Odila, Rosa Maria, Luíza Maria, Eliane Barros e tantas outras Irmãs, são inesquecíveis. Das antigas mestras que já partiram, guardamos lembranças vivas de Madre Leopoldina, Madre Lucila Magalhães, Madre Tarcísia, que o tempo não apaga.